Pular para o conteúdo da página
Brasão da PUC-Rio

Vice-Reitoria para Assuntos Acadêmicos

Prêmios e Destaques Acadêmicos

Por Renata Ratton Assessora de Comunicação - Vice-Reitoria para Assuntos Acadêmicos
Paixão e igualdade

Bolsistas do Núcleo de Memória da PUC-Rio são premiados por crônica sobre afetividade nas relações de trabalho e pela atuação na luta antirracismo

À esquerda: Ana Amorim no Palácio Hofburg, local onde ocorreu o Global Peter Drucker Fórum - Foto: arquivo pessoal; à direita: Edson de Souza - Foto: arquivo pessoal


A aluna de Artes Cênicas Ana Clara de Amorim Inocêncio e o aluno de Ciências Sociais Edson de Souza, bolsistas do Núcleo de Memória da PUC-Rio, receberam, em novembro, respectivamente, o prêmio Peter Drucker Society Europe (PDSE) e o Troféu Zumbi dos Palmares, este pela 57ª subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Ana Clara foi premiada pela crônica apresentada ao Peter Drucker Challenge – concurso anual realizado pela Peter Drucker Society Europe (PDSE), no qual jovens do mundo todo têm a oportunidade de enviar ensaios para concorrer a uma viagem à Áustria, por ocasião do Fórum anual da PDSE. A temática proposta foi Economia da Paixão: criando valor com suas habilidades únicas. A ideia central era pensar o futuro do trabalho na era da automação.

– O título já me chamou atenção por conta da ideia da paixão. Desde 2020, trabalho com o dramaturgo Antonin Artaud em minhas pesquisas de Iniciação Científica no Núcleo de Memória, uma figura do mundo das artes cênicas que reflete muito sobre o tema da paixão e do afeto; já era um assunto que fazia parte do meu cotidiano acadêmico. Além disso, foi um trabalho que me instigou a pensar nas minhas próprias experiências enquanto artista e pesquisadora, para colocar em questão o modo como habilidades únicas podem ser relevantes para nossa atividade profissional, ao lado do conhecimento técnico, revela a aluna que, este ano, apresentou a pesquisa Trajetórias Afetivas: três narrativas femininas na PUC-Rio, no XXX Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica.

No trabalho, Ana Clara abordou o percurso de três mulheres na Universidade e o modo como elas se destacaram em suas atividades profissionais, a partir de um aspecto afetivo presente em seus cotidianos, de maneiras distintas. “Atualmente minha pesquisa se desenvolve nesse eixo temático, uma reflexão sobre memória e narrativas".

Edson de Souza, e agora ex-bolsista do Núcleo, recebeu o troféu em função de sua atuação na luta antirracista no ano de 2022. Foi a primeira vez que a Comissão de Igualdade Racial da OAB-Barra da Tijuca premiou ativistas e personalidades que atuam na pauta:

– Hoje atuo como coordenador na Superintendência de Políticas de Promoção de Igualdade Racial do Estado do Rio de Janeiro, pasta que está inclusa na Subsecretaria de Promoção da Defesa e Garantia dos Direitos Humanos. Lá, realizo a criação de projetos educacionais que visam desconstruir o racismo estrutural em nossa sociedade. Prestamos atendimentos para vítimas de racismo, fornecemos suporte a povos e comunidades tradicionais indígenas, quilombolas e ciganos. Intermediamos comissões e grupos de trabalho como a Comissão de Saúde da População Negra, o Observatório Mãe Beata de Iemanjá sobre o racismo religioso, o projeto Estação Negritude em parceria com a Supervia, o Mulheres Quilombolas com a ONG Koinonia, entre outros, enumera.




Publicada em: 15/12/2022