Pular para o conteúdo da página
Brasão da PUC-Rio

Vice-Reitoria para Assuntos Acadêmicos

Prêmios e Destaques Acadêmicos

Por Renata Ratton Assessora de Comunicação - Vice-Reitoria para Assuntos Acadêmicos
Estudo de doutorado é premiado pela Production and Operations Management Society (POMS), principal sociedade de Engenharia de Produção do mundo

No Laboratório HANDs, do Departamento de Engenharia Industrial, a doutoranda Luiza Cunha desenvolveu simulações, a fim de propor soluções logísticas e financeiras para movimentos migratórios


O artigo Challenges to scale migrant-receiving countries Humanitarian Operations/Desafios para escalabilidade de operações humanitárias em países-destino de migrantes, de autoria da aluna de doutorado em Engenharia de Produção Luiza Cunha, venceu o prêmio Emerging Economies Doctoral Student Award (EEDSA 2022) na categoria América Latina/Caribe pela Sociedade de Gestão de Produção e Operações (POMS, sigla em inglês), a principal sociedade de Engenharia de Produção do mundo.

Luiza desenvolveu sua pesquisa no laboratório HANDs (Humanitarian Assistance and Needs for Disasters), do Departamento de Engenharia Industrial, sob a orientação da professora Adriana Leiras. O estudo, na área de logística humanitária, trata do movimento migratório Venezuela-Brasil, especificamente dos desafios e impactos da Operação Acolhida – realizada desde fevereiro de 2018 pelo Governo Federal, com o objetivo de recepcionar, abrigar e interiorizar os venezuelanos que atravessam a fronteira, prestando auxílio humanitário.

De acordo com dados do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, nos últimos cinco anos, mais de 700 mil venezuelanos entraram no Brasil. Por meio de simulação, Luiza Cunha representou a Operação, que ocorre principalmente em Roraima, próximo à fronteira Brasil-Venezuela.

– A pesquisa aborda políticas para diferentes momentos (com maior e menor fluxo migratório), a fim de propor soluções para questões logísticas e financeiras de forma plena, funcional e sem gastos desnecessários. Com os dados empíricos coletados, simulações foram realizadas quantitativamente investigando as relações entre conceitos e políticas. O modelo de simulação desenvolvido demonstra como diferentes políticas podem influenciar a capacidade de acolhimento e abrigo das pessoas mais vulneráveis. Os resultados permitem definir as melhores políticas, de acordo com o objetivo da Operação, de curto ou médio e longo prazo, esclarece a doutoranda.

Ao visitar Boa Vista e Pacaraima, Luiza verificou a estruturação da Operação Acolhida, que demonstrou receber bem os venezuelanos no Brasil, e elogiou a forma como ela mesma foi recebida pela equipe. Para entender o processo, visitou abrigos em Boa Vista, alojamentos em Pacaraima, a base militar, e conversou com os gestores dos abrigos e representantes de diversas organizações humanitárias envolvidas na Operação (OIM, ACNUR, UNICEF, MSF e ONU Mulheres).

No momento, Luiza desenvolve modelo de dinâmica de sistemas para entender a complexidade e como escalar uma operação humanitária desse porte, que se baseia em três pilares: ordenamento da fronteira, abrigo dos venezuelanos e interiorização desses imigrantes para inserção socioeconômica no resto do Brasil.

Segundo a pesquisadora, é fundamental estarmos preparados para essas situações, pois problemas humanitários podem ocorrer a qualquer momento. "O movimento migratório pode acontecer repentinamente, como exemplo os refugiados da guerra na Ucrânia, e essas pessoas ficam em uma situação de extrema vulnerabilidade. É um momento de desespero e por isso precisamos aprender como escalar uma operação desse tamanho", observa.

Operação Acolhida e um estudo de caso sobre o impacto das doações nas comunidades do Rio de Janeiro durante a pandemia – já publicado na revista internacional Annals of Operations Research – estarão presentes na tese de doutorado da aluna, que será defendida ainda esse ano.




Publicada em: 19/05/2022